BandCamp - Música Independente!
Bandcamp!
Site do Vagner Pitta: Acervo de jazz: discos e fotos!
Site do Pitta
Siga-nos no twitter: dicas, vídeos, links gerais sobre música!!!
Twitter/Siga-nos!
Confira todos os links que indicamos no Farofa Moderna Links!
Best Albums
Facebook do Vagner Pitta
Grupo no Facebook
Last.Fm - Playlists de Vagner Pitta
last.fm - Playlists
Confira nosso acervo de vídeos!!!
Great Videos!
contato.vagnerpitta@hotmail.com
OBS: Produtores, músicos, escritores e outros que quiserem divulgar no Blog Farofa Moderna, consultem nossas políticas na página ABOUT US e contate-nos.
Para uma melhor visualização do blog, use o navegador Google Chrome/To better view the blog, use the Google Chrome browser

Welcome to Blog Farofa Moderna! Search bellow:

Highlights: ensaios, lançamentos, curiosidades, posts mais lidos e etc

Música Erudita!
Eric Dolphy
Eletronic+Jazz!
London Improvisers
Hamilton de Holanda
Mario Pavone
Lançamentos!
Max Roach!

Views since May/ 2010

Translate

Wynton Marsalis & LCJO with Dewey Redman: The Music of Ornette Coleman



A música de Wynton Marsalis é rica e exuberantemente conservadora, com o uso de aspectos vanguardistas numa ou outra composição, com arranjos e objetivos bem definidos que é o de criar efeitos. Mas, em pleno início do século 21, poucos poderiam prever que o grande conservador Wynton Marsalis pudesse prestar tributo a um músico da corrente jazzística denominada como avant-garde: sim, isso aconteceu em 2004! O músico que Wynton Marsalis escolheu foi, justamente, Ornette Coleman, o "discípulo" mais distante de Charlie Parker que, por assim ser, revolucionou o Jazz com o conceito de "livre improvisação" a partir de 1958: sobre o avant-garde Wynton Marsalis já tinha dito que Ornette fora o último dos grandes e autênticos criadores do jazz, pois poucos dos muitos registros vanguardistas gravados a partir dos anos 60 poderiam ser considerados como autênticos registros de Jazz, já que o conceito de liberdade imposto por Ornette foi o estopim para que muitos músicos de Free Jazz criassem uma música totalmente calcada na vanguarda européia, no experimentalismo exarcebado e na abolição dos aspectos culturais americanos, bem como na abolição das estéticas elementares do jazz como o blues, o groove, o funky, o swing e etc.

Download

Sim, embora seja difícil de admitir partindo do ponto de vista da apreciação, Wynton Marsalis tem razão do ponto de vista formal e estético: Cecil Taylor, Anthony Braxton e o alemão Peter Brotzmann trabalharam formas tão experimentais, livres e despretenciosas a partir do fim da década de 60, que até alguns dos seus críticos e admiradores questionam e relutam em enquadrá-las como sendo formas ou legendas do Jazz. O discurso conservador de Wynton, por sua vez, foi imposto com tanta força e veemência que chegou a dominar toda a década de 80 e 90, arrebatando uma multidão de seguidores diretos, bem como músicos que, indiretamente, foram influenciados ou "arrastados" por essa onda de revitalização do autêntico Jazz Moderno: por essas e outras Wynton Marsalis será eternamente um dos músicos mais odiados da história do Jazz. E, com certeza, o fato pelo qual Wynton venera a música de Ornette Coleman não é outro senão o fato de que esse grande compositor, apesar de ter impulsionado essa música caótica, não dissociou-se completamente das origens do jazz: Ornette Coleman é considerado um saxofonista de origem parkeriana e estilo bluesy; sobre suas composições e seus improvisos o próprio Ornette já tinha dito "existe uma forma, existe uma ordem naquilo que eu toco e componho", mostrando, assim, que a forma e o swing ainda tinha uma suma importância em sua música. Assim, em fevereiro de 2004, Wynton Marsalis, na condição de diretor artístico do Jazz at Lincoln Center, uma das maiores fatias do coglomerado Lincoln Center, organiza esse concerto e, como convidado especial, chama o grande saxtenorista Dewey Redman, um dos maiores músicos do Free Jazz e que, não coincidentemente, fora membro de algumas bandas de Ornette Coleman. Já na década de 90,Wynton Marsalis, pressionado pelas críticas, abriu o espaço para músicos de Free Jazz que, segundo essa sua exigência, tinha autenticidade e coerência jazzística o suficiente para fazer parte do programa do seu grande e suntuoso Jazz at Lincoln Center, considerado o maior centro de Jazz do mundo: eram eles alguns veteranos como os próprios Ornette Coleman, Dewey Redman, Paul Bley, além da nova geração de músicos do século 21 que viriam a se apresentar por lá, como Jason Moran, Stefon Harris, Jane Ira Bloom, Greg Osby, dentre outros novos músicos que primaram e primam por seguir uma onda progressista unindo o passado e o presente de forma séria e coerente.

Versão de Wynton para o tema "Free" de Ornette Coleman

Neste registro ao vivo de 2004, transformado em programa para ser apresentado no Jazz at Lincoln Center Radio, podemos escutar as versões de Wynton e de membros da Lincoln Center Jazz Orchestra para algumas das grandes composições de Ornette Coleman, sobretudo do período inicial do compositor, o qual Wynton realmente aprecia: a verdadeira e extendida versão desse concerto em homenagem a Ornette, que foi constituído de duas noites, abrange mais composições como o tema "Free", faixa que está no disco Change of the Century (vide o vídeo acima). Nos arranjos brilham saxofonista Ted Nash em "Una Muy Bunita", o trombonista Ron Westray em "Lonely Woman" e Wynton em "Ramblim". Assim, o que se tem é uma carga maior de arranjos em contrapartida de pouquíssimas livres improvisações. Ainda assim há algumas partes bem interessantes onde Wynton cria linhas melódicas fora da tonalidade e improvisos interessantes e virtuosos. Dewey Redman aparece bem em "Happy House", onde o baterista Herlin Riley também mostra sutilmente seu solo. A faixa "The Invisible Eye" é a mais free de todas. Eis aqui, então, algumas pequenas mostras das versões de Wynton e sua Lincoln Center Jazz Orchestra sobre A Música de Ornette Coleman. A Lincoln Center Jazz Orchestra parece mais compacta, reduzida por Wynton, talvez, na intenção de mostrar não uma big band, mas uma orquestra pequena com versões mais cruas das composições de Ornette.

Wynton Marsalis, Music Director
Wynton Marsalis, Trumpet
Seneca Black, Trumpet
Ryan Kisor, Trumpet
Marcus Printup, Trumpet
Ron Westray, Trombone
Andre Hayward, Trombone
Vincent R. Gardner, Trombone
Wess "Warmdaddy" Anderson, Alto and Soprano Sax
Ted Nash, Alto Sax, Clarinet, Flute, Piccolo
Walter Blanding, Jr., Tenor Sax
Victor Goines, Tenor and Soprano Sax, Clarinet
Joe Temperley, Baritone and Soprano Sax, Clarinet
Eric Lewis, Piano
Carlos Henriquez, Bass
Herlin Riley, Drums
Special Guest: Dewey Redman, Tenor Saxophone


Um comentário:

kike hurtado disse...

Estimado Vagner

qué interesante documento compartes en tu excelente blog. Aún cuando Marsalis no es uno de mis favoritos, sí lo es Ornette Coleman. En este caso específico hay un reconocimiento tardío pero al fin al impulsor de las nuevas formas de jazz a comienzos de los '60as. Marsalis rinde tributo, a su manera, a este portento de la vanguardia orquestando sus composiciones respetando bastante la composición, cuestión que se agradece.

Excelente posteo como siempre, excelente gusto musical,

Keep up the great job, Vagner!

Outros Excelentes Sites Informativos (mais sites nas páginas de mídia e links)